quinta-feira, 25 de setembro de 2008

O Show de humor da política

Infelizmente o “Horário político”, ao contrário do que deveria ser, é um show de humor, um momento da programação brasileira imperdível para quem deseja dar boa gargalhadas, desde as propagandas mais escrachadas como a do Supermoura* até as de políticos mais conhecidos e renomados que aparecem em seus supostos gabinetes analisando papéis em sua mesa e dando sorrisos de bom(a) moço(a).

Estamos quase que literalmente em um mato sem cachorro, mesmo assistindo ao debate político, que é uma ferramenta essencial na escolha do nosso candidato, ainda ficamos com profundas indecisões. A troca de acusações ocorre em período integral na discussão, até chegar a um ponto em que não é possível distinguir quem é o injustiçado e quem é o mentiroso. O que nos resta fazer é pesquisar e verificar a consistência das afirmações e negações do candidato, mas quem tem tempo pra ficar pesquisando candidato por candidato?

Quem assistiu pelo menos uma vez a propaganda eleitoral sabe que é triste ver que o futuro da nossa sociedade está nas mãos de jogadores de futebol aposentados, cantores falidos, dançarinos de funk, ex-apresentadores televisivos, enfim, humoristas e mesmo que estejam repletos de boa vontade em seus corações é preciso muito mais do que isso para se governar um país, um estado ou até mesmo um bairro.Agora mesmo, assistindo ao debate político da Band, me deparei com uma candidata dizendo “Obrigado aos ouvintes que estão nos assistindo agora”, na verdade todo telespectador é também um ouvinte, acho que ninguém é bobo pra assistir à um debate político sem som , mas se existe a palavra telespectador, que se refere a quem assiste à TV, acho que não dói nada usa-la. A gente ri mas fundo os palhaços somos nós que permitimos essas coisas bizarras e até elegemos toda essa “nata” da política e o pior de tudo é que quando a gente elege quem realmente parece ter discernimento e preparação para ocupar o cargo, se decepciona na primeira acusação de fraude e desvio de dinheiro público pra contas em paraísos fiscais nas Ilhas Caimãs, ou seja, se ficar o bicho come e se correr o bicho pega.

*Caso desconheça essa personagem da política brasileira basta fazer uma busca no YouTube

3 comentários:

Andréa Rodrigues disse...

o_o Muito bom esse post
realmente política no Brasil é uma palhaçada mesmo!
=)
Gostei do seu jeito de escrever :D

bjos

Filipe Paiva disse...

Surpreendente o homem que voce se tornou, parece ser outra pessoa, mas uma pessoa espetacular... fico contente.


Abraço do seu amigo,

Munique disse...

Oi!
É deprimente ver a que ponto o Brasil chegou, analisando desde o início de nossa história, sempre fomos vistos como palhaços mesmo. O povo brasileiro precisa abrir os olhos para política, afinal, como dizia Bertolt Brecht, o pior analfabeto é o político. ANALFABETO POLÍTICO (BERTOLT BRECHT) “O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas. O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que,da sua ignorância política, nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos , que é o político vigarista, pilantra, corrupto e lacaio das empresas nacionais e multinacionais.”