quinta-feira, 30 de outubro de 2008

A Subjetividade é Insubjetivizável

A subjetividade é algo que todo mundo tem, mas ninguém quer que os outros tenham, pois é, talvez seja exagero dizer “todo mundo” e “ninguém”, mas que atire a primeira pedra aquele que não quer que as pessoas concordem com tudo o que diz, tudo o que faz ou pensa. Todo mundo quer ser ouvido mas poucos querem ouvir.

Esse tipo de comportamento é inerente ao ser humano, cada um tem uma idéia do que é certo ou errado, cada um tem seus valores e quando alguém vai contra eles é natural que a pessoa tente defendê-los, mas nem sempre essa pessoa leva em conta ou sequer tenta entender o ponto de vista alheio o que caracteriza um ato de total egoísmo. Não cabe a ninguém julgar o que uma pessoa gosta ou deixa de gostar desde que seus atos não prejudiquem a terceiros, obviamente. Aceitar as diferenças daqueles que convivemos é o nosso grande desafio.

A subjetividade, ao contrário do que muita gente pensa, é essencial nos relacionamentos humanos. Um mundo com todos pensando igual, além de ser uma tremenda chatice, seria um mundo estagnado. Não haveria discussões, todos torceriam pelo mesmo time, usariam a mesma roupa, falariam sobre as mesmas coisas e não adiantaria mudar de parceira(o) por que na cama todos seriam iguais, esse último fator é bastante crítico na hora de convencer alguém de que a subjetividade é necessária, afinal, como o sexo o chocolate também é muito bom, mas come-lo sempre e sempre do mesmo jeito seria um martírio. A idéia a qual quero chegar é que sem variedade não há desejo e sem desejo o mundo não funciona.

A individualidade pode significar respeito, como também pode significar empatia, portanto, aprender a conviver é extremamente necessário. Antes de criticar seu próximo é muito importante que olhe no espelho não só pra ver o quão bonito e narcisista você é, mas também para saber que você também tem defeitos que aos olhos de terceiros podem parecer tão ridículos quanto aqueles que foram alvo do seu julgamento e crítica. Olhar sempre para o seu próprio umbigo, sem ao menos cogitar a idéia de que você também está sujeito a erros, não é uma boa estratégia para quem deseja uma vida harmoniosa e saudável. Não há frase melhor e nem mais manjada para terminar esse texto do que aquela que diz “Não julgue para que não seja julgado”.


PS: Insubjetivizável = objeto ou coisa que não sofre diferenciação (ou pelo menos não deveria) na idéia subjetiva das pessoas.

PS do PS: Neologismo próprio rss

5 comentários:

Thata Diacronia disse...

Esse é o mundo onde vivemos, as pessoas as vezes me enojam com as suas prepotencias. Gente que se acha o dono do mundo e que acha que todas as atenções têm que ser voltadas para ele.
Tô cansada de encontrar gente assim por onde ando. Mas temos que nos acostumar e nos cuidar para não ficarmos iguais.

b-jokas

Michele disse...

ótimo texto, mesmo. Eu já sou do tipo que adoro escutar as pessoas e sou dificl de me "abrir" com a facilidade que elas tem. meu professor adoraria seu texto. ele é do tipo que deseja que nós alunos contrariamos as idéias dele, para que tenha um dialogo bem mais interessante. mas sabe, esse egoismo, egocentrismo sempre havéra, é inevitavel. porém, sempre tera os poucos que são diferentes de pensamentos diferentes, para a alegria de muitos - ou não.
É, isso aí. beijinhos.

Thata Diacronia disse...

Ei sumidooo, tudo bem?
toh passando para falar que mudei minha url

b-jokas

Thata Diacronia disse...

Sei q vc nao passa mais por aki, mas vc ganhopu selinhos no meu blog, passa por lá

b-joks

obs: posta mocinhu, vc escreve mto bem ^^

Lilo disse...

Nossa Vi, vc realmente escreve muito bem... Num quer me ajudar com as minhas histórias não? rsrsrsrs
Beijos